Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, Mulher, de 46 a 55 anos



Histórico
 01/09/2006 a 30/09/2006
 01/06/2006 a 30/06/2006
 01/05/2006 a 31/05/2006
 01/04/2006 a 30/04/2006
 01/03/2006 a 31/03/2006
 01/02/2006 a 28/02/2006
 01/01/2006 a 31/01/2006


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 CALEIDOSCÓPIO
 Rubem Alves
 Jornal de Poesia
 Música Popular Brasileira
 Elisa Lucinda /poesias
 Clarice Lispector
 Vinicius de Moraes
  Cinema
 Humor na Ciência
 Faxina Mental
 Olhando a vida de frente
 Espelho da alma
 Psicóloga no divã
 Da janela...
 Só um olhar...
 Parto do princípio
 Mensagens de longe...


 
Kalleidoskopio


Sorvete faz bem pra alma

 

Na semana passada levei meus filhos a um restaurante.
Meu filho de seis anos perguntou se ele podia dar graças.
Quando concordamos ele disse:
"Deus é bom. Deus é maravilhoso. Obrigado pela comida.
E eu ficarei ainda mais agradecido se Mamãe nos der sorvete como
sobremesa.
E... Liberdade e Justiça para todos! Amém!"
Junto com as risadas dos outros clientes por perto, eu escutei uma
mulher comentar:
"É isso que está errado com esse país.

As crianças de hoje não sabem nem como rezar.

Pedir sorvete a Deus! Eu nunca vi isso!"
Escutando isto, meu filho rebentou em lágrimas e me perguntou:
"Eu fiz uma coisa errada? Deus está zangado comigo?"
Enquanto eu o abraçava e lhe assegurava que ele havia feito uma
oração maravilhosa e que Deus com toda certeza não estava zangado com ele.
Um cavalheiro mais idoso se aproximou da mesa.
Deu uma piscada para meu filho e disse:
"Eu fiquei sabendo que Deus achou que foi uma grande oração."
"Mesmo ?" meu filho perguntou.
"Dou a minha palavra", o homem respondeu.
Então num sussurro teatral ele acrescentou (indicando a mulher cujo
comentário havia desencadeado a coisa toda):
"Que pena que ela nunca tenha pedido sorvete a Deus. Às vezes, um
pouco de sorvete faz bem para a alma."
Naturalmente, eu comprei sorvete para meus filhos no fim da
refeição.
Meu filho olhou fixamente para o seu por um momento e, então, fez
algo de que me lembrarei o resto de minha vida.
Ele pegou o seu sundae e sem uma palavra, caminhou na direção da
mulher e o colocou em frente a ela.
Com um grande sorriso lhe disse:
"Aqui, este é para você. Sorvete às vezes é bom para a alma; e a
minha alma já está bastante boa."

"Tem gente que não percebe, mas a felicidade está nas pequenas
coisas a nossa volta, nos gestos, nas atitudes, no modo de falar, de
amar. Basta dizer um bom dia, dar um abraço e um sorriso."

"Quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer".
(desconheço o autor)



Escrito por Pad às 21h19
[] [envie esta mensagem]



Mensagem de longe...

Um guerreiro samurai pediu ao mestre Hakuin para que falasse sobre o céu e o inferno.

O mestre deu uma olhada para o samurai e começou a insultá-lo,

dizendo: "Você é um guerreiro tão teimoso que nunca vai entender nada mesmo!"

O samurai, furioso, puxou sua espada: "Isso", disse Hakuin, "Isso é inferno".

O samurai teve um lampejo de iluminação e dominou-se com gratidão.

Humildemente curvou-se diante do mestre. "Isso", disse Hakuin, "Isso é o céu".

(Mensagem tradicional do budismo zen,

contada no livro Zen, Palavra Básica, de Timothy Freke)

 



Escrito por Pad às 13h13
[] [envie esta mensagem]



FELIZ DIA DOS NAMORADOS!

VOCÊ SABIA QUE A LUA
AINDA NÃO FOI VISITADA?
QUE HÁ SEMPRE UMA LUA NOVA
DENTRO DA OUTRA, E ENCANTADA?

É LÁ QUE VIVEM AS GRAÇAS
QUE NESTA QUADRA DO ANO
A GENTE SONHA E DESEJA
A TODO O GÊNERO HUMANO.

MAS A LUA, PREGUIÇOSA,
NEM SEMPRE ATENDE À PEDIDA?
A GENTE SONHA ASSIM MESMO,
ATÉ MELHORAR A VIDA.

(Carlos Drummond de Andrade)

FELIZ DIA DOS NAMORADOS!!!!

12 de junho de 2006

 



Escrito por Pad às 08h18
[] [envie esta mensagem]



No que se parecem: o sexo e o futebol?

No futebol, como no sexo, as pessoas suam ao mesmo tempo,

avançam e recuam, quase sempre vão pelo meio, mas também caem para

um lado ou para o outro, e às vezes há um deslocamento. Nos dois é importantíssimo

ter jogo de cintura.

No sexo, como no futebol, muitas vezes acontece um cotovelaço

no olho sem querer, ou um desentendimento que acaba em expulsão.

um vai para o chuveiro mais cedo.

Dizem que a única diferença entre uma festa de amasso e a

cobrança de um escanteio é que na grande área não tem música, porque

o agarramento é o mesmo, e no escanteio também tem gente que fica quase

sem roupa.

Também dizem que uma das diferenças entre o futebol e o sexo

é a diferença entre camiseta e camisinha. Mas a camisinha, como a camiseta,

não distingue, ela tanto pode vestir um craque como um medíocre.

No sexo, como no futebol, você amacia no peito, bota no chão,

cadencia, e tem que ter uma explicação pronta na saída para o caso de não dar certo.

No futebol, como no sexo, tem gente que se benze antes de entrar e sempre sai ofegante.

No sexo, como no futebol, tem o feijão com arroz, mas também tem o requintado,

a firula e o lance de efeito. E, claro o lençol.

No sexo também tem gente que vai direto no calcanhar.

E tanto no sexo quanto no futebol o som que mais se ouve é aquele “uuu”.

No fim sexo e futebol só são diferentes, mesmo, em duas coisas.

No futebol não pode usar as mãos. E o sexo, graças a Deus, não é organizado pela CBF.

 

(Sexo e futebol

Luis Fernando Veríssimo)

 

 



Escrito por Pad às 16h13
[] [envie esta mensagem]




Quem pergunta por mim, já deve saber, do riso no fim
De tanto sofrer, que eu não desisti, das minhas bandeiras,
Caminho, trincheiras, da noite
Eu, que sempre apostei, na minha paixão
Guardei um país no meu coração, um foco de luz, seduz a razão
De repente a visão da esperança, quis esse sonhador
Aprendiz de tanto suor, ser feliz num gesto de amor
Meu país acendeu a cor

Verde, as matas no olhar, ver de perto
Ver de novo um lugar, ver adiante
Sede de navegar, verdejantes tempos
Mudança dos ventos no meu coração
Verdejantes tempos, mudança dos ventos no meu coração
No meu coração, no meu coração.....
(Músiva:Verde, Leila Pinheiro)


Escrito por Pad às 22h36
[] [envie esta mensagem]



Fernando Pessoa

Deus costuma usar a solidão
para nos ensinar sobre a convivência.
Às vezes, usa a raiva para que possamos
compreender o infinito valor da paz.
Outras vezes usa o tédio,

quando quer nos mostrar

a importância da aventura e do abandono.
Deus costuma usar o silêncio para nos ensinar
sobre a responsabilidade do que dizemos.
Às vezes usa o cansaço, para que possamos
compreender o valor do despertar.
Outras vezes usa a doença, quando quer
nos mostrar a importância da saúde.
Deus costuma usar o fogo,

para nos ensinar a andar sobre a água.
Às vezes, usa a terra, para que possamos
compreender o valor do ar.
Outras vezes usa a morte, quando quer
nos mostrar a importância da vida“.

 



Escrito por Pad às 12h09
[] [envie esta mensagem]



QUAL A RAZÃO PORQUE SOMOS DA PAZ?

 Recebi por e-mail

A paz
Invadiu o meu coração
De repente, me encheu de paz
Como se o vento de um tufão
Arrancasse meus pés do chão
Onde eu já não me enterro mais

A paz
Fez o mar da revolução
Invadir meu destino; a paz
Como aquela grande explosão
Uma bomba sobre o Japão
Fez nascer o Japão da paz

Eu pensei
em mim
Eu
pensei
em ti
Eu
chorei por nós
Que contradição
Só a guerra faz
Nosso amor
em paz

Eu
vim
Vim parar na beira do cais
Onde a estrada chegou ao fim
Onde o fim da tarde é lilás
Onde o mar arrebenta
em mim
O
lamento de tantos "ais"

 

A paz - letra: Gilberto Gil, música: João Donato,1986



Escrito por Pad às 20h28
[] [envie esta mensagem]



EU QUERO...

        ... e quero que VOCÊ venha comigo...



Escrito por Pad às 14h30
[] [envie esta mensagem]



Como diz Caetano...

“Você

Tem que saber

Que eu quero é

Correr o mundo,

Correr perigo

Que quero é

Ir-me embora

Eu quero dar o fora...”



Escrito por Pad às 14h32
[] [envie esta mensagem]



Dar não é fazer amor -Luís Fernando Veríssimo

Dar é dar.
Fazer amor é lindo,
é sublime,
é encantador,
é esplêndido,
mas dar é bom pra cacete.

Dar é aquela coisa
que alguém te puxa os cabelos da nuca,
te chama de nomes que eu não escreveria,
não te vira com delicadeza,
não sente vergonha de ritmos animais.

Dar é bom.
Melhor do que dar, só dar por dar.

Dar sem querer casar,
sem querer apresentar pra mãe,
sem querer dar o primeiro abraço no Ano Novo.

Dar porque
o cara te esquenta a coluna vertebral,
te amolece o gingado, te molha o instinto.

Dar porque
a vida de uma publicitária em começo de carreira
é estressante, e dar relaxa.

Dar porque
se você não der para ele hoje,
vai dar amanhã, ou depois de amanhã.

Dar sem esperar ouvir promessas,
sem esperar ouvir carinhos,
sem esperar ouvir futuro.

Dar é bom, na hora.
Durante um mês.
Para as mais desavisadas, talvez anos.
Mas dar é dar demais e ficar vazia.

Dar é não ganhar.
É não ganhar
um eu te amo baixinho perdido no meio do escuro.
É não ganhar uma mão no ombro
quando o caos da cidade parece querer te abduzir.
É não ter alguém pra querer casar,
para apresentar pra mãe,
pra dar o primeiro abraço de Ano Novo e pra falar:
"Que cê acha amor?".

Dar é inevitável,
dê mesmo, dê sempre, dê muito.
Mas dê mais ainda,
muito mais do que qualquer coisa,
uma chance ao amor, esse sim é o maior tesão.
Esse sim relaxa,
cura o mau humor,
ameniza todas as crises e faz você flutuar
o suficiente pra nem perceber as catarradas na rua.

Se você for chata, suas amigas perdoam.
Se você for brava, suas amigas perdoam.
Até se você for magra, as suas amigas perdoam.
Mas... experimente ser amada."



Escrito por Pad às 21h34
[] [envie esta mensagem]



Para aqueles que amam!

 

Era uma vez uma ilha onde moravam todos os sentimentos. Entre eles, a alegria, a tristeza, a sabedoria e o amor.
Mas um dia, foi avisado aos namorados que a ilha iria afundar.
Todos os sentimentos se apressaram pegaram os seus barcos e partiram.
Só o amor ficou, pois queria se despedir da ilha, antes que ela afundasse.
Quando por fim, estava se afogando, o amor começou a pedir ajuda.
Nesse momento, estava passando a riqueza em lindo barco e o amor disse:
- Riqueza, leva-me com você?
- Não posso. Há muito ouro e prata no meu barco. Não há lugar para você.
Então, pediu ajuda à vaidade que também vinha passando:
- Vaidade, por favor, me ajude!
- Não posso ajudar, amor. Você está todo molhado e poderia estragar todo meu barco.
Veio passando a tristeza e o amor pediu ajuda:
- Tristeza, deixe-me ir com você?
- Ah, amor. Estou tão triste que prefiro ir sozinha!
Também passou a alegria, mas ela nem viu o amor chamar.
- Venha amor, eu levo você!, gritou um velhinho.
- O amor logo quis saber quem o salvava! Então, fez a pergunta à sabedoria:
- Era o tempo, respondeu ela.
- O tempo? Mas, por que o tempo?
- Porque somente o tempo é capaz de entender um grande amor.

 

(Programa Ana Maria Braga - Rede Globo de Televisão)



Escrito por Pad às 15h58
[] [envie esta mensagem]



Shopping center de maridos

Era uma vez um shopping center de maridos, onde as mulheres podiam escolher o seu marido entre várias opções de homens.
O shopping tinha cinco andares. Nele, as qualidades dos homens cresciam nos andares mais altos.
A única regra era que, uma vez em um andar, não se poderia mais descer.
Deveria-se escolher um homem do andar, subir ao próximo ou ir embora.
Então, uma dupla de amigas foi até o shopping.
Primeiro andar:
Um aviso na porta dizia: "os homens deste andar trabalham e gostam de crianças"
Uma das amigas disse para a outra: "Bem, é muito melhor do que ser desempregado ou não gostar de crianças, mas... como serão os homens do próximo andar?
Então elas subiram para o segundo.
Segundo andar:
Os homens deste andar trabalham, têm excelentes salários, gostam de crianças e são muito bonitos"
"Viu só? Aiii, mas não custa nada dar uma olhadinha no próximo andar, né?"
Então, elas subiram mais um.
Terceiro andar:
"Os homens deste andar trabalham, têm excelentes salários, gostam de crianças, são muito bonitos e ajudam o serviço doméstico"
"Nossa!", diz a mulher. Muito tentador, mas, se estes são assim, como serão os homens do próximo andar?"
Aí, elas subiram para o outro andar.
Quarto andar:
” Os homens deste andar trabalham, têm excelentes salários, gostam de crianças, são muito bonitos, ajudam no serviço doméstico e são ótimos amantes".
"Meu Deus!!! Isso é incrível!"
As duas se olharam e apertaram o botão do elevador com toda a vontade do mundo.
Quinto andar:
A placa no andar que estava vazio, dizia:
"Esse andar serve somente para provar que é impossível satisfazer as mulheres. Por favor, siga até a saída e tenha um bom dia!"



Escrito por Pad às 18h28
[] [envie esta mensagem]



Namoro depois dos 50 (amor maduro)!

Depois de meio século, o amor já percorreu estradas, dobrou esquinas e optou em encruzilhadas...
Já errou, já acertou, já deslizou, já se arrependeu e inevitavelmente o tempo se foi.
Viveu-se o amor, perdeu-se o amor, alguns pelas mãos de Deus, outros pelo enfraquecimento do viver a dois.

Hoje, esse olhar em direção ao amor continua mais lindo, pois na longa caminhada dos sentimentos, aprendemos a somar, a dividir e a multiplicar, sem chances de diminuir no conhecimento do sentimento do amor.
O amor maduro chega de mansinho e se aloja em nossa vida, sem tempo para acabar.
O caminhar a dois é mais sereno, a cumplicidade existe, o carinho é mais espontâneo, não nos inibimos diante do querer, a sintonia é completa e as lembranças são depositadas no álbum das saudades, que guardamos de um tempo que não volta mais.

Namorar nessa idade é carregar a ternura no olhar.
O brilho é mais intenso, a vontade de acertar é mais forte.
A construção do caminhar a dois é a soma do querer, é o encontro de duas almas aplaudidas por dois corações que dividem a emoção de amar.

As pequeninas atitudes, os gestos e os detalhes são os alimentos que sustentam este amor.
Viver a dois é a alegria da companhia, do chamego dengoso, dos beijos calientes e experientes, dos insinuantes olhares quando o desejo se manifesta e a promessa no olhar de que em todo amanhecer, será o mais belo bom dia entre dois seres que encontraram o amor!

 



Escrito por Pad às 18h16
[] [envie esta mensagem]



Quando Eu Quero Falar Com Deus - Roberto Carlos

Quando eu quero falar com Deus, eu apenas falo
Quando eu quero falar com Deus, às vezes me calo
E elevo o meu pensamento, peço ajuda no meu sofrimento
Ele é pai, Ele escuta o que pede o meu coração
Quantas vezes falando com Deus, desabafo e choro 
É alívio pro meu coração eu a Ele imploro
E então sinto a Sua presença, Seu amor, Sua luz tão intensa
Que ilumina o meu rosto e me alegra em minha oração

Quanta paz, quanta luz
Deus nos ouve, nos mostra o caminho que a ele conduz
Deus é pai, Deus é luz
Deus nos fala que a Ele se chega seguindo Jesus

É tão lindo falar com Deus, em qualquer momento
Deus que vê uma folha que cai e é levada ao vento
Não existe onde ele não esteja e Ele pode escutar nossa voz
Deus no Céu, Deus na terra, onde esteja, está dentro de nós

Quanta paz, quanta luz
Deus nos ouve, nos mostra o caminho que a Ele conduz
Deus é pai, Deus é luz
Deus nos fala que a Ele se chega seguindo Jesus

Quanta paz, quanta luz
Deus nos ouve, nos mostra o caminho que a Ele conduz
Deus é pai, Deus é luz
Deus nos fala que a Ele se chega seguindo Jesus

Quanta paz, quanta luz
Deus nos ouve, nos mostra o caminho que a Ele conduz
Deus é pai, Deus é luz



Escrito por Pad às 06h50
[] [envie esta mensagem]



O DOTE - PARTE I

No distante Pacífico Sul há uma ilha chamada Nurabandi e, perto dela, uma outra, de nome Kiniwata.

Os nativos dessas ilhas são pessoas maravilhosas, boas e altivas, mas entre eles existe o antigo costume de se oferecer um dote para a família de uma moça quando ela é pedida em casamento.

Johnny Ling vivia na ilha de Nurabandi. Era elegante e rico, talvez o homem de negócios mais capaz em toda ilha.

Todos sabiam que, jovem e solteiro, ele poderia se casar com qualquer das meninas da região.

Mas Johnny só tinha olhos para Sarita, que morava em Kiniwata, o que intrigava muitas pessoas.

Sarita era uma moça simples, pouco atraente. Quando andava, seus ombros se curvavam e sua cabeça abaixava.

Mas Johnny estava apaixonado por Sarita e combinou de se encontrar com o pai da moça, um homem chamado Sam Karoo, para pedir  sua mão em casamento e combinarem o dote.

O dote era sempre pago em vacas, animais muito valorizados nas pequenas ilhas do Pacífico. Contava-se que as famílias de algumas moças mais bonitas da região recebiam quatro vacas como dote e, em casos excepcionais, cinco.

Johnny Lingo era o comerciante mais sagaz da ilha de Nurabandi, e o pai de Sarita era um nada na ilha de Kiniwata.

Sabendo disso, Sam Karoo, preocupado, reuniu a família na véspera do encontro e, nervosamente, anunciou sua estratégia: ele pediria a Johnny três vacas, acenando a possibilidade de receber duas, até ter a certeza de que o noivo daria pelo menos uma.

No dia seguinte, logo no início da reunião, Johnny olhou firmimente nos olhos de Sam Karoo e disse tranqüilamente:

_ Venho  pedir a mão de Sarita em casamento e gostaria de oferecer oito vacas como dote.

Sam, gaguejando, disse que estava bem assim. O casamento foi maravilhoso, mas ninguém na ilha conseguiu compreender por que Johnny dera oito vacas como dote para se casar com Sarita.

 

... CONTINUA...



Escrito por Pad às 14h54
[] [envie esta mensagem]




[ ver mensagens anteriores ]